Eu e a minha penca

Hoje foram plantadas 42 pencas! 42! Eu repito: 42 pencas! É bem mais do que a quantidade de pencas que alguma vez comi na vida inteira. E a que propósito vem esta alarvidade de penca? Por 3 euros compra-se uma molhada das ditas e, voilá, vai-se a ver e a molhada transporta no útero quase incontáveis pencas. Para quem não sabe - incluindo eu próprio, mas para isso é que nos vale o santo Google -, a couve penca chama-se também couve portuguesa, dizem ter variedades e formas que não acaba e está espalhada pelas hortas do país. Quando espreitarem horta alheia têm uma gravíssima probabilidade de avistar uma penca - e não se inclui aqui a penca do próprio hortista. Para plantação, utilizámos o processo e os elementos que temos utilizado: terra, estrume e água. Quando digo utilizámos, faço-o embuído da utopia da partilha societal de tarefas; quero eu dizer, como a S. não levou galochas e chovia, quem sujou as botas de lama foi aqui o senhor. O senhor das pencas. Plantei ainda outras coisas. Mas depois digo. Não sei se repararem, mas com este post inaugurei toda uma nova prática: a hortaspotting. Digo eu, se calhar já existe. E vou aproveitar a ideia. Claro que sim. Depois eu mostro uma foto, sim? Das pencas, claro. As 42.

2 comentários:

  1. Olá
    Se não experimentou, experimente plantar a chamada couve galega/Portuguesa....a tal do caldo verde.
    É óptima, na sopa e a acompanhar as batatas com peixe.

    Cumprs
    Augsuto

    ResponderEliminar
  2. Já tenho couve galega também. Está linda. E em breve haverá caldo verde.

    ResponderEliminar